Outros "mares" por onde navego...

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Instante

hoje precisei sair de mim. esvaziar-me para ver meus lábios como janelas e manhãs.
caminhei por estradas escondidas e a areia onde pisei não me machucou.
não vi meu relógio, não percebi meu tempo nem o grande olhar.
meu espelho quebrou-se, mas minhas verdades, todas, se desfragmentaram.
quase chorei quando percebi que teus olhos me devoravam.
quando percebi que o que vias dentro de mim era uma mulher imutável em seu exterior.
doce sentido o da imaginação, aquele que me deixava uma estátua a desafiar o tempo.
fui doce, fui bela, fui tentadora... devorei-te sem permitir que sequer sonhasses.
alimentei os teus desejos e pus fogo nas minhas feridas.


naquele instante, quase fui Pandora e abri a minha alma.


mas outro mundo foi mais rápido que eu... e me fechou!


(Betha Mendes)
Imagem Google

15 comentários:

  1. oi Betha,

    beleza de poema,
    por vezes agem por nós,
    sem ao menos percebermos...
    mas o que vale é sempre a nossa verdade!!!

    beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Ah, que maravilha... Você despindo seu interior diante do espelho de tuas vontades, ainda que por um instante.
    Lindíssimo. Parabéns!
    Abraço com carinho.

    ResponderExcluir
  3. Oi Betha, isso é bom de se fazer de vez em quando, alivia a alma, traz ânimo à vida.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Na dinâmica da vida ficamos entre passagens que tanto abrem como fecham nossos acessos.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  5. Betha
    Às vezes é preciso que nos desnudemos mesmo. Belo poema. Bjkas com muito carinho!

    ResponderExcluir
  6. Betha
    Obrigada por sua visita e comentário! Continue acompanhando as entrevistas de comemoração de 1 ano do ProjetandoPessoas!! Amanhã a entrevistada especial é a nossa querida Lena do Amadeirado!
    abraço
    Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com//

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde.Muito bonito, forte e de uma coragem incrível o seu poema.
    Desnudar-se é excelente, faz crescer verdadeiramente, porém tem fases em que nos fechamos e não conseguimos sair de nós mesmos, ficando paralisados, até um novo cilo se iniciar!
    Gostei muito do que li.
    Parabéns!
    Um beijo carinhoso, e excelente semana.
    Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  8. Ah, os desejos reprimidos...
    Que lindo, Betha! Abração. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  9. Ando meio sumida dos comentários, pois tive uma semana bem "hard" de trabalho, mas passei aqui por alguns motivos:
    1-porque estava com muitas saudades!
    2-porque espero que tenha tido LINDO DOMINGO DE DIAS DOS PAIS!
    3-para dizer que estou muito feliz em estar nos TOP 30 pela segunda semana seguida, no Prêmio TOP BLOG 2011!
    4-para pedir seu voto, caso você não esteja concorrendo e ache que eu mereço seu voto!
    bj Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com//

    ResponderExcluir
  10. Muito lindo e intenso seu poema, beijos.

    ResponderExcluir
  11. Olá, boa noite Betha,

    Seu blog é de verdade um mar de versos, lindo!

    Pegue o selinho da sabor de amizade lá no meu blog,

    Bjo

    ResponderExcluir
  12. Saudade dos teus versos, doce Betha.
    Bj

    ResponderExcluir
  13. Esse tipo de mergulho para dentro de si as vezes é necessário...

    Um beijo, querida !

    ResponderExcluir
  14. Bertha,

    "alimentei os teus desejos e pus fogo nas minhas feridas."

    Confesso despudoradamente que me identifiquei!

    Bela prosa poética.

    Abraços,

    Anna Amorim

    ResponderExcluir